Crítica | Vida

Por Bruna Elias 29/04/2017 - 11:00 hs

O filme Vida é um terror espacial/ficção científica dirigido por Daniel Espinosa (Protegendo o Inimigo), que conta a história de seis astronautas de diferentes nacionalidades, sendo eles: o médico americano Dr. David Jordan (Jake Gyllenhaal); a Dra. Miranda North (Rebecca Ferguson); o engenheiro Rory Adams (Ryan Reynolds); o piloto japonês Sho Murakami (Hiroyuki Sanada), o biólogo britânico Hugh Derry (Ariyon Bakare) e a russa Kat Golovkina (Olga Dihovichnaya). Eles estão a bordo da Estação Espacial Internacional cuja missão é estudar amostras coletados no solo de Marte. Mas, o objetivo se transforma quando eles encontram uma forma de vida em Marte.

No filme, o grande protagonista é o alien Calvin – que recebe o nome em um concurso mundial – este ser cresce de forma bastante surpreendente, ganhando novas células, que ao mesmo tempo são, basicamente, olho, músculo e cérebro, como reforça o personagem Hugh Derry.

A tripulação não conta com nada de especial, as cenas que apresentam características e o desenvolvimento dos personagens são imperceptíveis.  Mas, a superficialidade não afeta negativamente o desenrolar da trama, pois o foco do filme não está na vida dos tripulantes, e sim, na descoberta de vida em Marte.

Apesar do design competente e de um bom trabalho técnico, faltou criatividade no roteiro de Vida. Não há ineditismo, todos os fatores positivos no longa-metragem já foram vistos em muitos outros filmes de ficção científica.

Vida é um filme de mediano para menos, é apenas um passatempo, não possui nada de extraordinário.