Preso em 2013

Em pleno 2018, Criciúma busca reforços do passado

Por Eduardo Madeira 01/03/2018 - 22:32 hs
Preso em 2013
Foto: Fernando Ribeiro/Criciúma E.C./Arquivo

 

Argel Fucks voltou. Sueliton também. Falam de Zé Carlos, Marlon e Fábio Ferreira. Tudo isso em pleno 2018. O saudosismo está em alta no Criciúma, e o clube, desesperado para voltar aos bons tempos, se parece preso em 2013, último ano em que foi campeão estadual e ainda evitou um rebaixamento dado como certo.

 

São cinco anos de lá para cá, muita coisa mudou, principalmente para os jogadores, que enxergam no Criciúma um porto seguro após fase baixa na carreira.

 

Sueliton é um exemplo claro disso. Fez brilhante 2013 e cresceu muito em 2014, já vestindo a camisa do Atlético Paranaense. Por escolhas erradas na carreira, não conseguiu explodir como imaginava, passou a rodar por clubes de menor expressão e nunca mais foi o mesmo.

 

Em 2017, por exemplo, teve a temporada pelo Náutico – rebaixado à Série C - precocemente encerrada em outubro, quando rompeu o ligamento colateral medial da região posterior lateral do joelho esquerdo - lesão rara, segundo o coordenador médico Francisco Couto, ao Super Esportes.

 

Neste ano, somou 84 minutos em apenas dois jogos pelo Mirassol. Sueliton não faz uma partida inteira desde outubro. São quase cinco meses, e isso preocupa demais. Não bastasse a fase técnica que não é das melhores, o “novo-velho” contratado do Criciúma precisa provar estar bem fisicamente.

 

Mas o que preocupa mais não é nem a questão física ou técnica. O físico pode se recuperar e a questão técnica pode ser potencializada em um time que se torne organizado. O que me deixa com a pulga atrás da orelha é o fato de contrata-lo pelo que fez há cinco anos e não pelo que produziu recentemente e, principalmente, pelo que pode contribuir.

 

E é essa a impressão de prisão em 2013 que o clube passa ao trazer Sueliton e cogitar Zé Carlos e companhia limitada. São identificados com o clube, possuem uma história marcante com o Criciúma, mas contrata-los pela história, pelo que fizeram num tempo nada recente é chutar no ar e esperar para ver.

 

Hoje, a informação está aí. Só não tem quem não quer. É possível mapear jogadores nos quatro cantos do mundo, para as mais variadas posições e podendo fazer a tão desejada economia que o presidente Jaime Dal Farra quer. Sueliton já está aí, pode ser que queime minha língua e dê certo. Tem 31 anos, não é um jogador velho. Mas é preciso mapear, pesquisar e se aprofundar para descobrir novos “Suelitons”, fechar a porta de 2013 no clube e seguir em frente.