Parto domiciliar: conheça o procedimento

Enfermeira obstetra e especialista em saúde familiar explica todos os detalhes

Por Rafaela Custódio 04/10/2017 - 15:41 hs

Parto domiciliar: conheça o procedimento
Foto: Divulgação

A gravidez é um momento especial para todas as mães, e o parto não é diferente. Atualmente existem novos métodos de trazer o filho ao mundo. Um dos procedimentos que está crescendo na região e, que muitas mães têm dúvidas, é o parto domiciliar.

A enfermeira obstetra, e especialista em saúde familiar, Gabriela Valerim explica que esse tipo de parto não pode ser feito com qualquer gestante. “O parto domiciliar é para gestações de risco habitual, gestações de baixo risco, saudáveis, sem nenhuma patologia. Além disso, é preciso ter acompanhamento”, orienta.

De acordo com Gabriela, os profissionais são capacitados tecnicamente e legalmente para assistência a partos normais. “São enfermeiros obstetras, médicos obstetras e obstetrizes”, relata.

Para Gabriela, o parto é o momento em que a mulher precisa se sentir segura. “Desde 1990, a organização da mulher traz que o parto deve ser realizado onde a gestante se sinta mais segura, e se for ao domicilio, é preciso de uma assistência que tenha um hospital de referência próximo”, conta.

Uma das vantagens do parto domiciliar é de oferecer a gestante a chance de ter ao seu lado pessoas próximas, sem um número exato. “Todas as pessoas que o casal quiser que estejam presentes. Isso é um dos fatores que chama atenção”, esclarece.

O que muitas gestantes acreditam é que para realizar um parto domiciliar é necessário que tenha uma doula ao seu lado. “A doula é uma mulher treinada e capacitada para cuidar emocionalmente e fisicamente da mulher. Ela é fundamental e tem um olhar exclusivo para a gestante no sentindo psicológico. Mas não faz parte da equipe técnica”, explica.

O parto domiciliar tem um custo que pode ser variado entre as equipes. “Está em torno de R$ 5 a 8 mil, mas depende do número de consulta e profissionais que estarão presentes na gravidez e no parto”, ressalta.

Uma dúvida entre as gestantes é sobre a ida ao hospital. De acordo com Gabriela, a equipe precisa saber o momento certo. “Todos os profissionais estão atentos a isso. Caso durante a gestação, pré-natal e até 40 dias após o parto, se for percebida qualquer alteração, é encaminhado ao hospital”, finaliza.